Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Germankick » 30/07/2018 17:49

Agora compare com o "mítico" Kung Fu, muitos anos depois...



Ou já nos anos 70...



Ali perceberam a necessidade de se acrescentar as técnicas do Boxing, para refinar um pouco os embates de torneios do caratê fullcontact, nos quais participavam praticantes de Wing Chun, Choy Li Fut, Tae Kwondo, caratê, mas que geralmente eram vencidos por quem possuía melhores técnicas de "punhos".
Editado pela última vez por Germankick em 28/08/2018 10:53, em um total de 1 vez.
Germankick
 
Mensagens: 9
Registrado em: 14/05/2018 14:31

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Germankick » 30/07/2018 18:01

Mas, pelo menos o Boxe Chinês, desenvolvido através das técnicas do antigo Kung Fu, onde as forças armadas da China selecionaram o que era realmente funcional, está salvando a arte tradicional chinesa da morte atualmente!!!
Editado pela última vez por Germankick em 28/08/2018 11:00, em um total de 1 vez.
Germankick
 
Mensagens: 9
Registrado em: 14/05/2018 14:31

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Leo_FuzNav » 02/08/2018 21:14

Germankick escreveu:


Sério? Que você quer dizer que esse vídeo é uma evolução? Os caras vem com a mão la atrás antes de dar um soco (que nem o Kiko no Chaves) ...
Eu confio no meu 22, desde que a 45 esteja por perto.
Avatar do usuário
Leo_FuzNav
 
Mensagens: 190
Registrado em: 02/03/2016 11:12

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Leo_FuzNav » 02/08/2018 21:16

Germankick escreveu:


Cara, isto é um filme de comédia.
Eu confio no meu 22, desde que a 45 esteja por perto.
Avatar do usuário
Leo_FuzNav
 
Mensagens: 190
Registrado em: 02/03/2016 11:12

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Germankick » 04/08/2018 11:57

Leo_FuzNav escreveu:
Germankick escreveu:


Sério? Que você quer dizer que esse vídeo é uma evolução? Os caras vem com a mão la atrás antes de dar um soco (que nem o Kiko no Chaves) ...


Não, justamente o contrário.

Ali mostra um dos primeiros torneios de kickboxing dos EUA nos anos 70.

No qual, participavam caratecas, praticantes de Wing Chun, Choy Li Fut, Tae Kwondo, e era aquela feiura ali.

Aos poucos foram introduzindo o boxe nos treinamentos, quando perceberam que técnicas de punho faziam a diferença.
Germankick
 
Mensagens: 9
Registrado em: 14/05/2018 14:31

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Renan Pongelupe » 03/10/2018 23:21

Caro colega,

Se você tiver a possibilidade de vivenciar um tempo de krav magá e um tempo de combato, acho que seria mais ideal para a defesa pessoal por tratar de defesa pessoal urbana, considerando a realidade local (nos dois sistemas). Outro ponto interessante é que esses sistemas consideram sim a vivência e uso das armas enquanto artes como o karate não possibilitam o uso de armas.

, abraço
Renan Pongelupe
 
Mensagens: 2
Registrado em: 03/10/2018 22:34

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Erick Tamberg » 07/10/2018 18:36

Alguma opinião sobre o Savate francês?

Para quem não sabe, foi a primeira arte marcial treinada pelo Exército Brasileiro e Força Pública de São Paulo, ainda na virada do século XIX para o século XX, trazido pela Missão Militar Francesa de Instrução que aqui aportou antes do Kasato Maru.
Erick Tamberg
 
Mensagens: 648
Registrado em: 09/06/2016 13:50

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Hunter9999 » 17/01/2019 14:14

Treinei Krav Maga por seis anos e parei por discordância de natureza técnico-metodológica. Primeiro esclarecimento: existem MUITOS krav magas por aí, e toda a minha experiência diz respeito à FSAKM (Mestre Kobi).
Pontos positivos:
1. Parte física - o treino tem uma ginástica bem elaborada, proporcional, com baixo risco de contusão. Os exames de faixa têm prova física e eu acho isso bom, porque te faz evoluir.
2. Reflexo - o Krav Maga tem muitos exercícios de simulação de ataque que contribuem para o desenvolvimento do reflexo instintivo. Para vocês terem noção, várias vezes alguém foi me cumprimentar com tapinha nas costas e eu levantei o braço instintivamente, como se fosse me atacar.
3. "Awareness" - estes exercícios de simulação de ataque com várias pessoas ajudam a desenvolver uma "percepção" no sentido de vc estar sempre olhando para os lados.

4. Variedade -O Krav trabalha em pé, deitado, de lado, sentado, agressão com várias pessoas, agressão contra uma pessoa que não é você mas vc quer defender, faca, bastão, arma de fogo.

5. Técnicas anti-estupro/feminicídio - importante para mulheres: há técnicas para situações do tipo "um cara te agarrando por trás", ou estrangulamento por trás.
6. Técnicas com armas – eu sou crítico da FORMA como a parte anti-revólver e anti-faca são dadas, mas o fato de o programa incluir estas técnicas é positivo.
7. Promoção de uma ideologia de autodefesa. Daí é opinião pessoal e subjetiva mesmo. Sou profundamente favorável ao direito do cidadão portar arma (dentro de certos limites de calibragem) e se defender. Acreditar que o Estado vai te defender é acreditar em Papai Noel ou em duende.
8. Formação dos instrutores : a FSAKM é muito exigente e o sujeito tem que ralar por muitos anos para ser professor. A exigência é alta tanto no sentido técnico como físico e comportamental.


Pontos negativos:

1. Demora dois anos pra começar a fazer luva ! Na faixa branca e amarela não tem luva, e na laranja tem luva só da parte de cima. Luva com soco e chute só a partir da verde.
2. Demora ANOS para ter desarme de arma de fogo. Imagino a cena: o sujeito entra na sua casa, quer estuprar a sua filha – uma situação que justifica a reação – e você fala assim para o bandido : “Sr. Ladrão/estuprador, vc pode voltar daqui a alguns anos ? A matéria de desarme de arma de fogo é só a partir da faixa azul !”

3. Carga de combate baixa - uma típica aula teria alguns minutos de treino ataque-defesa com luvas e alguns rounds de 30 segundos de combate livre. No máximo uns 2 minutos de combate livre por aula, com algumas exceções - e estas exceções são bem exceções. Dependendo do cronograma de matéria, se você vai só uma ou duas vezes por semana você pode ficar dois meses sem fazer luta.

4. TREINO BASEADO EM COREOGRAFIA E NÃO EM SPARRING- uma parte razoável das técnicas são ensinadas no esquema "um faz o golpe e o outro finge de morto", o que leva a uma falsa autoconfiança. Isto é especialmente importante no caso das "técnicas sujas" - não estou negando que técnicas "sujas" possam ser úteis numa briga, mas como você vai saber se a sua "dedada no olho" ou "apertão no saco" estão entrando bem se é impossível fazer um sparring de "dedada no olho" ou "apertão no saco" ?


5. Cerca de 50% das Técnicas são ruins/surreais ou só funcionam com um cara bêbado ou muito mais fraco. Exemplos:

5.1 Defesa de soco em que você dá um "tapa" na mão do cara.

5.2 Defesa contra queda em que você dá "soquinhos" na cabeça do cara e depois puxa pelo olho. A princípio, parece sinistro (nossa, puxa pelo olho) mas qualquer um que já fez jiujitsu sabe a VELOCIDADE com que os praticantes do jj te põem no chão e não iam nem perceber os soquinhos.

5.3 Defesa contra queda em que você dá uma joelhada - EI, o cara de jj te agarra pra te mandar para o chão e você vai ajudar ele tirando uma perna no chão ?

5.4 Defesas contra facas - no Krav Maga o treino anti-faca é baseado em agressões “zumbis” que dão estocadas psicóticas de cima pra baixo e de baixo pra cima, sem nenhum swing, enquanto o outro braço fica parado (assistiram o filme Psicose ?). O treino contraria todo o registro histórico de ataques - quase sempre o atacante usa a mão vazia para pegar a vítima.
Na aula, na parte anti-faca, eu nunca vi o professor falar algo do tipo "olha pessoal, faca é um lance muito perigoso, se alguém te ameaçar com faca e você estiver desarmado, ou você corre ou faz o que o cara quiser, reagir só se for estupro, ou se o cara quiser te matar de qualquer jeito". Não vi nenhum instrutor dizer isto. Uma pessoa inocente ou nova vai achar que sair na mão com um cara com uma faca é algo "normal". E não é ! Se você for atacado por um agressor com faca, o melhor é vc TER uma faca. Se não tiver, corre ! Se não puder correr, joga algo em cima da faca ! Se nada disse der certo, ok, vamos treinar anti-faca, mas então treina DIREITO, com sparring pesado e tinta na ponta da faca de plástico pra ver depois se acertou.
O que acho inaceitável é esse treino em que o atacante congela no primeiro contato com o defensor – e daí o defensor termina a técnica sozinho.

5.5 Defesa contra chute frontal em que você pula para o lado e afasta a perna do cara com a mão - ótimo pra quebrar a mão, funcionaria contra um atacante em câmera lenta. Os próprios instrutores do krav admitem que na hora que vem o chute, não dá tempo de saber se é um chute frontal ou lateral, e por isto esta defesa não funciona.

5.6 Defesa contra chute em que você acerta a perna do cara "enquanto" ela começou a subir. Ótima contra um adversário em câmera lenta.

5.7 Saída do "100 kg" do jiu - não lembro como era a saída, mas lembro o que aconteceu : o instrutor foi demonstrar a defesa comigo e não conseguia sair (eu fiz anos de jiu antes do krav). Daí chegou uma hora em que começou a ficar constrangedor demais e eu deixei ele sair. Não queria ridicularizar o cara na frente dos alunos.
5.8 Técnicas ingênuas no chão. No Krav, vc aprende a “sair do chão o mais rápido possível”. Até aí concordo, o agressor pode ter um amigo que vai chegar chutando. Mas e se o agressor QUISER te levar para o chão (cenário muito realista no Brasil) ?? As saídas de montada são risíveis pra um praticante sério de JJ.

6. Irresponsabilidade. Vejam este vídeo a partir de 00:39 :

Acho uma completa irresponsabilidade um congresso sobre "como enfrentar assaltos violentos" e criar em donas de casa e adolescentes a percepção de que podem enfrentar malacos armados a partir de um treino coreografado. Daí vc pode perguntar : ah mas não é melhor fazer um treino coreografado idiota do que não fazer nada? Bem... O problema é que muita gente sai destes congressos com a sensação de que pode "enfrentar a violência urbana" - daí vai reagir desnecessariamente e vai morrer.


7. Ignorância dos aspectos jurídicos da defesa pessoal: na hipótese REMOTA de a sua dedada no olho funcionar numa briga, alguém acha que isso “não vai dar nada” do ponto de vista criminal ? Ou, se você derruba um cara e continua chutando ele caído no chão, alguém aqui não sabe que isso é excesso de legítima defesa e vai te dar um processo?
8. Culto ao originalismo. O Krav Maga foi desenvolvido na Bratislava nos anos 40 pelo Imi Lichtenfeld e os mestres se propõem a “dar continuidade à obra”. Isso é ruim, por que ? Porque segurança é algo que depende do contexto social e cultural. Andar com espada ou lança e armadura em São Paulo seria ótimo, mas você ia ser colocado em um hospício. A legislação é um fato importantíssimo: por exemplo, o conceito jurídico de legítima defesa do Texas é diferente do de Londres. A mesma técnica que no Texas não vai dar nem termo de ocorrência vai te por na cadeia em Londres. Os tipos de agressores também são diferentes: os fascistas e nazistas dos anos 40, na minha opinião, eram MUITO INFERIORES aos jiujiteiros carioca de hoje. O curso “ideal” de defesa pessoal não existe porque o aspecto cultural é uma condicionante muito forte.
9. Culto ao militarismo. Usam como propaganda o papo de ser a “defesa pessoal do exército israelense”. Isso é bom ou ruim? Para um civil, ruim. Porque um policial/soldado NÃO precisa ser muito bom em luta corporal. O policial/soldado tem que ser um ATIRADOR monstro – não um lutador ! O combate corpo-a-corpo não é e nem poderia ser prioridade para um exército moderno. Pensando no contexto brasileiro: qual é a probabilidade de um policial do BOPE lutar desarmado contra um traficante?
10. Mistificação da “realidade da rua” – “na rua não há regras”, “na rua o que importa é sair vivo”, etc. Kct, é claro que existem regras na rua ! Tem o aspecto jurídico-criminal que eu já mencionei, e outro: se você assassinar um malaco “barra-pesada” numa briga, os parças dele não vão te caçar não? Óbvio que se o cara fosse te matar de qualquer jeito é melhor você matá-lo, mas dizer que na rua não há regras é uma mentira absurda.


Pontos que são fracos ou fortes dependendo da pessoa:

1. Técnicas militares inúteis para civis - imobilização com bastão ou combate com fuzis : útil para militares/policiais, inútil para civis.

2. Culto à personalidade do "mestre" Kobi - que não pode ser chamado apenas de Kobi, mas sim de mestre Kobi (sim eu vi um cara tomar bronca por isso). As pessoas idolatram um cara que ninguém nunca viu lutando - não existe um único vídeo dele fazendo luva com alguém. Esta idolatria não me incomoda, acho apenas bobo.

3. Técnicas de soltura de mãos e soltura de cabelo. Talvez seja útil pra mulher em balada, pra mim é perda de tempo.

4. Baixo risco de se machucar - bom e ruim ao mesmo tempo, o risco é baixo justamente porque tem POUCO COMBATE. Mas para algumas pessoas isto é o ideal: uma aula tranquila, com muito treino técnico coreografado e um pouco de sparring só pra ter uma noção.

Ponderações
NÃO ACREDITO EM TÉCNICA DE LUTA FORA DO CONTEXTO DE COMBATE/SPARRING. Se você tem uma técnica que é “sinistra demais para fazer sparring”, isto não é uma técnica, é uma possibilidade de ação. Sem o sparring, como você vai testar se realmente funciona? Como você vai aprimorar o movimento sem saber como funciona diante de um adversário ativo?
NO COMBATE, A POSIÇÃO DO AGRESSOR MUDA O TEMPO TODO. O centro de massa muda, então aquela “derrubada” que funcionava tão bem com o cara parado não funciona mais, a posição do rosto e do corpo mudam. Por isto esta ideia de que se você aperfeiçoar muito a técnica, treinando milhares de vezes, vai por si só aumentar sua eficiência é falsa...mesmo na teoria !
SOU CÉTICO EM RELAÇÃO AO CONCEITO DE “DEFESA PESSOAL”. Quando saímos do contexto de combate esportivo e tentamos pensar em “situações reais”, o número de variáveis envolvidas é tão absurdo que fica difícil montar um treinamento formal. Ninguém aqui duvidaria que jogar uma cadeira, um açucareiro ou uma xícara de café no agressor funcionaria, mas faz sentido montar um treinamento formal ensinando alguém a se defender usando cadeira/açucareiro/xícara ?
Me impressiona, no pessoal do krav, uma postura de desprezo pelo combate de competição, do tipo “ah o MMA só funciona nos ringues”. Como se o lutador de MMA fosse um bobão que numa briga de rua fosse lutar rigorosamente de acordo com as regras do ringue. Algo impede o Connor McGregor de jogar uma cadeira no agressor ou de dar um chute no saco?
O que funciona na temível “realidade das ruas” ?
1 – Morar em apartamento, num bairro seguro, olhar para os lados sempre, tomar cuidado na hora de entrar e sair do carro, não parar próximo ao semáforo, muita atenção com motoqueiros (se for possível se distanciar), não deixar bolsa no banco do passageiro, dependendo do local esconder anéis/relógios/joias.
2 – Andar em grupo.
3 – Nas regiões da periferia, CONHECER os malacos da região.
4 – Andar armado, nos contextos mais complicados, e saber usar a arma – coisa que o krav maga não vai te ensinar (pelo menos até onde eu conheci).
5 – Andar com algo que você possa usar como arma ou como contenção, como um agasalho ou mochila.
6 – Se for pego por um assaltante, tenta transmitir calma, evita movimentos bruscos e faz o que o cara mandar (exceto se for estupro, lógico).
7 – Se tiver que reagir mesmo, na minha opinião a prática de combate esportivo vai te ajudar mais a lidar com a situação do que os treinos coreografados que fiz no krav maga em que o sujeito te ataca e congela no ar. E, se o cara estiver armado e você não, eu diria que tem 90% de chance de que você se fodeu.

REFLEXO, FORÇA E VIOLÊNCIA SÃO MAIS IMPORTANTES DO QUE TÉCNICA. Técnica é só um elemento a mais. Alguém duvida que um atleta profissional de qualquer esporte de força/explosão daria um bom contendor numa briga, mesmo sem nunca ter treinado luta?

MAS, ENTÃO, VOCÊ RECOMENDA OU NÃO O KRAV MAGA ?

1. Uma parte do treino do krav (especialmente o treino de reflexo/”awareness”/exercícios com 2 ou mais agressores)seria um bom complemento para alguém que também treina MT/JJ/MMA/box. Krav Maga como arte marcial principal/exclusiva? Não recomendo.
2. Em relação à parte de desarme de arma de fogo (fiz um seminário deste tema, não tive na aula normal porque parei na faixa verde), não tenho conhecimento para avaliar se a técnica é boa ou não, perguntem a um policial.
3. A forma como a defesa contra facas é abordada pelo krav é desastrosa e irresponsável.
Hunter9999
 
Mensagens: 3
Registrado em: 08/01/2019 15:56

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor moliternoga » 17/01/2019 19:11

Colega, concordo com o que expôs acima. Infelizmente, as academias, treinadores e etc acabam modificando a forma de treino e etc para que possam ter alunos. Eu vivi isso por exemplo quando fui treinar MuayThai. Já treinava judô desde criança e com uns 16 anos mais ou menos decidi que queria aprender uma luta de trocação. Pesquisei sobre o assunto e resolvi procurar algum lugar onde se ensinasse Thai. Achei uma academia de bairro (era apenas um pequeno salão com um par de sacos de pancada e um pequeno tatame) onde existiam uns 6 alunos apenas. Comecei o treino e sinceramente após uma semana quase abandonei pois a academia onde fui treinar era frequentada por pessoal que treinava forte, pra competição e etc. Insisti e fui me acostumando com os treinos, as lutas e etc. Após uns dois anos mais ou menos o professor mudou de cidade e me indicou um outro professor (foi o professor dele). Quando fui treinar nesta academia achei o treino muito parado, pouca luva entre os alunos, e etc. Na época o Thai tinha ficado mais conhecido e a procura aumentou muito porém a maioria das pessoas não estavam dispostas a treinar pesado, sentir dor e etc, queriam treinar algo da moda e fa,er uma atividade física. Uma vez questionei o professor, que era um excelente professor e de muito conhecimento técnico, sobre o assunto e o mesmo me falou. - cara, se eu botar treino aqui nessa academia do modo antigo, fico sem aluno, o dono da academia não me deixará dar aulas e eu, que vivo disso, vou passar fome. Resumindo, hoje o comercial manda muito, e os professores/instrutores acabam cedendo por métodos diferentes para manter os alunos. Com certeza o Krav Maga que era ensinado no exercito de israel antigamente era muito mais efetivo pois não havia uma preocupação tão grande de botar os instruendos para treinarem as técnicas de forma mais realista, a preocupação era preparar os militares para o combate, independente de outros fatores.
moliternoga
 
Mensagens: 751
Registrado em: 24/10/2015 21:14

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor moliternoga » 17/01/2019 19:21

Quanto a técnicas de desarme de arma de fogo já vi ensinar técnicas boas que realmente tem chances de funcionar no "valendo" porém também defendo que só devem ser utilizados como último recurso (ou arrisca tentar sair vivo ou a morte será inevitável). Também já vi em cursos de defesa pessoal técnicas absurdas, coisas totalmente fora da realidade, e instrutores incentivando os alunos a utilizarem tais técnicas na rua como se fosse a certeza de sair ileso. Acredito que as artes marciais que buscam o combate por natureza (judô, jiu jitsu, muay thai, boxe e etc) formam uma excelente base para defesa pessoal e dá uma ótima noção de técnicas que podem realmente "safar a onça" na rua e após buscar cursos/treinos de defesa para aperfeiçoar/adaptar/aprender novas técnicas de forma filtrada é uma excelente opção.
moliternoga
 
Mensagens: 751
Registrado em: 24/10/2015 21:14

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Erick Tamberg » 17/01/2019 19:51

Hunter9999 escreveu:Treinei Krav Maga por seis anos e parei por discordância de natureza técnico-metodológica. Primeiro esclarecimento: existem MUITOS krav magas por aí, e toda a minha experiência diz respeito à FSAKM (Mestre Kobi).
Pontos positivos:
1. Parte física - o treino tem uma ginástica bem elaborada, proporcional, com baixo risco de contusão. Os exames de faixa têm prova física e eu acho isso bom, porque te faz evoluir.
2. Reflexo - o Krav Maga tem muitos exercícios de simulação de ataque que contribuem para o desenvolvimento do reflexo instintivo. Para vocês terem noção, várias vezes alguém foi me cumprimentar com tapinha nas costas e eu levantei o braço instintivamente, como se fosse me atacar.
3. "Awareness" - estes exercícios de simulação de ataque com várias pessoas ajudam a desenvolver uma "percepção" no sentido de vc estar sempre olhando para os lados.

4. Variedade -O Krav trabalha em pé, deitado, de lado, sentado, agressão com várias pessoas, agressão contra uma pessoa que não é você mas vc quer defender, faca, bastão, arma de fogo.

5. Técnicas anti-estupro/feminicídio - importante para mulheres: há técnicas para situações do tipo "um cara te agarrando por trás", ou estrangulamento por trás.
6. Técnicas com armas – eu sou crítico da FORMA como a parte anti-revólver e anti-faca são dadas, mas o fato de o programa incluir estas técnicas é positivo.
7. Promoção de uma ideologia de autodefesa. Daí é opinião pessoal e subjetiva mesmo. Sou profundamente favorável ao direito do cidadão portar arma (dentro de certos limites de calibragem) e se defender. Acreditar que o Estado vai te defender é acreditar em Papai Noel ou em duende.
8. Formação dos instrutores : a FSAKM é muito exigente e o sujeito tem que ralar por muitos anos para ser professor. A exigência é alta tanto no sentido técnico como físico e comportamental.


Pontos negativos:

1. Demora dois anos pra começar a fazer luva ! Na faixa branca e amarela não tem luva, e na laranja tem luva só da parte de cima. Luva com soco e chute só a partir da verde.
2. Demora ANOS para ter desarme de arma de fogo. Imagino a cena: o sujeito entra na sua casa, quer estuprar a sua filha – uma situação que justifica a reação – e você fala assim para o bandido : “Sr. Ladrão/estuprador, vc pode voltar daqui a alguns anos ? A matéria de desarme de arma de fogo é só a partir da faixa azul !”

3. Carga de combate baixa - uma típica aula teria alguns minutos de treino ataque-defesa com luvas e alguns rounds de 30 segundos de combate livre. No máximo uns 2 minutos de combate livre por aula, com algumas exceções - e estas exceções são bem exceções. Dependendo do cronograma de matéria, se você vai só uma ou duas vezes por semana você pode ficar dois meses sem fazer luta.

4. TREINO BASEADO EM COREOGRAFIA E NÃO EM SPARRING- uma parte razoável das técnicas são ensinadas no esquema "um faz o golpe e o outro finge de morto", o que leva a uma falsa autoconfiança. Isto é especialmente importante no caso das "técnicas sujas" - não estou negando que técnicas "sujas" possam ser úteis numa briga, mas como você vai saber se a sua "dedada no olho" ou "apertão no saco" estão entrando bem se é impossível fazer um sparring de "dedada no olho" ou "apertão no saco" ?


5. Cerca de 50% das Técnicas são ruins/surreais ou só funcionam com um cara bêbado ou muito mais fraco. Exemplos:

5.1 Defesa de soco em que você dá um "tapa" na mão do cara.

5.2 Defesa contra queda em que você dá "soquinhos" na cabeça do cara e depois puxa pelo olho. A princípio, parece sinistro (nossa, puxa pelo olho) mas qualquer um que já fez jiujitsu sabe a VELOCIDADE com que os praticantes do jj te põem no chão e não iam nem perceber os soquinhos.

5.3 Defesa contra queda em que você dá uma joelhada - EI, o cara de jj te agarra pra te mandar para o chão e você vai ajudar ele tirando uma perna no chão ?

5.4 Defesas contra facas - no Krav Maga o treino anti-faca é baseado em agressões “zumbis” que dão estocadas psicóticas de cima pra baixo e de baixo pra cima, sem nenhum swing, enquanto o outro braço fica parado (assistiram o filme Psicose ?). O treino contraria todo o registro histórico de ataques - quase sempre o atacante usa a mão vazia para pegar a vítima.
Na aula, na parte anti-faca, eu nunca vi o professor falar algo do tipo "olha pessoal, faca é um lance muito perigoso, se alguém te ameaçar com faca e você estiver desarmado, ou você corre ou faz o que o cara quiser, reagir só se for estupro, ou se o cara quiser te matar de qualquer jeito". Não vi nenhum instrutor dizer isto. Uma pessoa inocente ou nova vai achar que sair na mão com um cara com uma faca é algo "normal". E não é ! Se você for atacado por um agressor com faca, o melhor é vc TER uma faca. Se não tiver, corre ! Se não puder correr, joga algo em cima da faca ! Se nada disse der certo, ok, vamos treinar anti-faca, mas então treina DIREITO, com sparring pesado e tinta na ponta da faca de plástico pra ver depois se acertou.
O que acho inaceitável é esse treino em que o atacante congela no primeiro contato com o defensor – e daí o defensor termina a técnica sozinho.

5.5 Defesa contra chute frontal em que você pula para o lado e afasta a perna do cara com a mão - ótimo pra quebrar a mão, funcionaria contra um atacante em câmera lenta. Os próprios instrutores do krav admitem que na hora que vem o chute, não dá tempo de saber se é um chute frontal ou lateral, e por isto esta defesa não funciona.

5.6 Defesa contra chute em que você acerta a perna do cara "enquanto" ela começou a subir. Ótima contra um adversário em câmera lenta.

5.7 Saída do "100 kg" do jiu - não lembro como era a saída, mas lembro o que aconteceu : o instrutor foi demonstrar a defesa comigo e não conseguia sair (eu fiz anos de jiu antes do krav). Daí chegou uma hora em que começou a ficar constrangedor demais e eu deixei ele sair. Não queria ridicularizar o cara na frente dos alunos.
5.8 Técnicas ingênuas no chão. No Krav, vc aprende a “sair do chão o mais rápido possível”. Até aí concordo, o agressor pode ter um amigo que vai chegar chutando. Mas e se o agressor QUISER te levar para o chão (cenário muito realista no Brasil) ?? As saídas de montada são risíveis pra um praticante sério de JJ.

6. Irresponsabilidade. Vejam este vídeo a partir de 00:39 :

Acho uma completa irresponsabilidade um congresso sobre "como enfrentar assaltos violentos" e criar em donas de casa e adolescentes a percepção de que podem enfrentar malacos armados a partir de um treino coreografado. Daí vc pode perguntar : ah mas não é melhor fazer um treino coreografado idiota do que não fazer nada? Bem... O problema é que muita gente sai destes congressos com a sensação de que pode "enfrentar a violência urbana" - daí vai reagir desnecessariamente e vai morrer.


7. Ignorância dos aspectos jurídicos da defesa pessoal: na hipótese REMOTA de a sua dedada no olho funcionar numa briga, alguém acha que isso “não vai dar nada” do ponto de vista criminal ? Ou, se você derruba um cara e continua chutando ele caído no chão, alguém aqui não sabe que isso é excesso de legítima defesa e vai te dar um processo?
8. Culto ao originalismo. O Krav Maga foi desenvolvido na Bratislava nos anos 40 pelo Imi Lichtenfeld e os mestres se propõem a “dar continuidade à obra”. Isso é ruim, por que ? Porque segurança é algo que depende do contexto social e cultural. Andar com espada ou lança e armadura em São Paulo seria ótimo, mas você ia ser colocado em um hospício. A legislação é um fato importantíssimo: por exemplo, o conceito jurídico de legítima defesa do Texas é diferente do de Londres. A mesma técnica que no Texas não vai dar nem termo de ocorrência vai te por na cadeia em Londres. Os tipos de agressores também são diferentes: os fascistas e nazistas dos anos 40, na minha opinião, eram MUITO INFERIORES aos jiujiteiros carioca de hoje. O curso “ideal” de defesa pessoal não existe porque o aspecto cultural é uma condicionante muito forte.
9. Culto ao militarismo. Usam como propaganda o papo de ser a “defesa pessoal do exército israelense”. Isso é bom ou ruim? Para um civil, ruim. Porque um policial/soldado NÃO precisa ser muito bom em luta corporal. O policial/soldado tem que ser um ATIRADOR monstro – não um lutador ! O combate corpo-a-corpo não é e nem poderia ser prioridade para um exército moderno. Pensando no contexto brasileiro: qual é a probabilidade de um policial do BOPE lutar desarmado contra um traficante?
10. Mistificação da “realidade da rua” – “na rua não há regras”, “na rua o que importa é sair vivo”, etc. Kct, é claro que existem regras na rua ! Tem o aspecto jurídico-criminal que eu já mencionei, e outro: se você assassinar um malaco “barra-pesada” numa briga, os parças dele não vão te caçar não? Óbvio que se o cara fosse te matar de qualquer jeito é melhor você matá-lo, mas dizer que na rua não há regras é uma mentira absurda.


Pontos que são fracos ou fortes dependendo da pessoa:

1. Técnicas militares inúteis para civis - imobilização com bastão ou combate com fuzis : útil para militares/policiais, inútil para civis.

2. Culto à personalidade do "mestre" Kobi - que não pode ser chamado apenas de Kobi, mas sim de mestre Kobi (sim eu vi um cara tomar bronca por isso). As pessoas idolatram um cara que ninguém nunca viu lutando - não existe um único vídeo dele fazendo luva com alguém. Esta idolatria não me incomoda, acho apenas bobo.

3. Técnicas de soltura de mãos e soltura de cabelo. Talvez seja útil pra mulher em balada, pra mim é perda de tempo.

4. Baixo risco de se machucar - bom e ruim ao mesmo tempo, o risco é baixo justamente porque tem POUCO COMBATE. Mas para algumas pessoas isto é o ideal: uma aula tranquila, com muito treino técnico coreografado e um pouco de sparring só pra ter uma noção.

Ponderações
NÃO ACREDITO EM TÉCNICA DE LUTA FORA DO CONTEXTO DE COMBATE/SPARRING. Se você tem uma técnica que é “sinistra demais para fazer sparring”, isto não é uma técnica, é uma possibilidade de ação. Sem o sparring, como você vai testar se realmente funciona? Como você vai aprimorar o movimento sem saber como funciona diante de um adversário ativo?
NO COMBATE, A POSIÇÃO DO AGRESSOR MUDA O TEMPO TODO. O centro de massa muda, então aquela “derrubada” que funcionava tão bem com o cara parado não funciona mais, a posição do rosto e do corpo mudam. Por isto esta ideia de que se você aperfeiçoar muito a técnica, treinando milhares de vezes, vai por si só aumentar sua eficiência é falsa...mesmo na teoria !
SOU CÉTICO EM RELAÇÃO AO CONCEITO DE “DEFESA PESSOAL”. Quando saímos do contexto de combate esportivo e tentamos pensar em “situações reais”, o número de variáveis envolvidas é tão absurdo que fica difícil montar um treinamento formal. Ninguém aqui duvidaria que jogar uma cadeira, um açucareiro ou uma xícara de café no agressor funcionaria, mas faz sentido montar um treinamento formal ensinando alguém a se defender usando cadeira/açucareiro/xícara ?
Me impressiona, no pessoal do krav, uma postura de desprezo pelo combate de competição, do tipo “ah o MMA só funciona nos ringues”. Como se o lutador de MMA fosse um bobão que numa briga de rua fosse lutar rigorosamente de acordo com as regras do ringue. Algo impede o Connor McGregor de jogar uma cadeira no agressor ou de dar um chute no saco?
O que funciona na temível “realidade das ruas” ?
1 – Morar em apartamento, num bairro seguro, olhar para os lados sempre, tomar cuidado na hora de entrar e sair do carro, não parar próximo ao semáforo, muita atenção com motoqueiros (se for possível se distanciar), não deixar bolsa no banco do passageiro, dependendo do local esconder anéis/relógios/joias.
2 – Andar em grupo.
3 – Nas regiões da periferia, CONHECER os malacos da região.
4 – Andar armado, nos contextos mais complicados, e saber usar a arma – coisa que o krav maga não vai te ensinar (pelo menos até onde eu conheci).
5 – Andar com algo que você possa usar como arma ou como contenção, como um agasalho ou mochila.
6 – Se for pego por um assaltante, tenta transmitir calma, evita movimentos bruscos e faz o que o cara mandar (exceto se for estupro, lógico).
7 – Se tiver que reagir mesmo, na minha opinião a prática de combate esportivo vai te ajudar mais a lidar com a situação do que os treinos coreografados que fiz no krav maga em que o sujeito te ataca e congela no ar. E, se o cara estiver armado e você não, eu diria que tem 90% de chance de que você se fodeu.

REFLEXO, FORÇA E VIOLÊNCIA SÃO MAIS IMPORTANTES DO QUE TÉCNICA. Técnica é só um elemento a mais. Alguém duvida que um atleta profissional de qualquer esporte de força/explosão daria um bom contendor numa briga, mesmo sem nunca ter treinado luta?

MAS, ENTÃO, VOCÊ RECOMENDA OU NÃO O KRAV MAGA ?

1. Uma parte do treino do krav (especialmente o treino de reflexo/”awareness”/exercícios com 2 ou mais agressores)seria um bom complemento para alguém que também treina MT/JJ/MMA/box. Krav Maga como arte marcial principal/exclusiva? Não recomendo.
2. Em relação à parte de desarme de arma de fogo (fiz um seminário deste tema, não tive na aula normal porque parei na faixa verde), não tenho conhecimento para avaliar se a técnica é boa ou não, perguntem a um policial.
3. A forma como a defesa contra facas é abordada pelo krav é desastrosa e irresponsável.


Parabéns pela riqueza de detalhes do post!

Sobre a parte de defesa contra facas, creio que aprendi mais sobre esse assunto investigando homicídios do que treinando qualquer coisa.

Em mais de 80% dos crimes desse tipo, a vítima é golpeada no abdômen (veja o exemplo do nosso próprio Presidente). A razão é simples: se a lâmina for manejada abaixo da linha dos olhos da vítima, não dá tempo de perceber o ataque e esboçar uma reação. O erro é treinar esse tipo de ataque como ele se fosse um lançamento de uma bola de boliche.

Por outro lado, ataques à la Hitchcock ocorrem na vida real, especialmente quando praticados por mulheres. Não é porque é um ataque "que só leigos fariam" que ele não ocorra com frequência. Vale a pena treinar esse tipo de defesa sim - mesmo porque, talvez, seja uma das poucas realmente aplicáveis.
Erick Tamberg
 
Mensagens: 648
Registrado em: 09/06/2016 13:50

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Polonês » 21/01/2019 13:55

moliternoga escreveu:Colega, concordo com o que expôs acima. Infelizmente, as academias, treinadores e etc acabam modificando a forma de treino e etc para que possam ter alunos. Eu vivi isso por exemplo quando fui treinar MuayThai. Já treinava judô desde criança e com uns 16 anos mais ou menos decidi que queria aprender uma luta de trocação. Pesquisei sobre o assunto e resolvi procurar algum lugar onde se ensinasse Thai. Achei uma academia de bairro (era apenas um pequeno salão com um par de sacos de pancada e um pequeno tatame) onde existiam uns 6 alunos apenas. Comecei o treino e sinceramente após uma semana quase abandonei pois a academia onde fui treinar era frequentada por pessoal que treinava forte, pra competição e etc. Insisti e fui me acostumando com os treinos, as lutas e etc. Após uns dois anos mais ou menos o professor mudou de cidade e me indicou um outro professor (foi o professor dele). Quando fui treinar nesta academia achei o treino muito parado, pouca luva entre os alunos, e etc. Na época o Thai tinha ficado mais conhecido e a procura aumentou muito porém a maioria das pessoas não estavam dispostas a treinar pesado, sentir dor e etc, queriam treinar algo da moda e fa,er uma atividade física. Uma vez questionei o professor, que era um excelente professor e de muito conhecimento técnico, sobre o assunto e o mesmo me falou. - cara, se eu botar treino aqui nessa academia do modo antigo, fico sem aluno, o dono da academia não me deixará dar aulas e eu, que vivo disso, vou passar fome. Resumindo, hoje o comercial manda muito, e os professores/instrutores acabam cedendo por métodos diferentes para manter os alunos. Com certeza o Krav Maga que era ensinado no exercito de israel antigamente era muito mais efetivo pois não havia uma preocupação tão grande de botar os instruendos para treinarem as técnicas de forma mais realista, a preocupação era preparar os militares para o combate, independente de outros fatores.


Boa tarde!

Pois é, concordo com as considerações do amigo.

Os professores tem que sobreviver também...

Por isso não podemos generalizar uma arte por ter passado uma experiência ingrata com algum instrutor, ou academia.

O maior problema é que, atualmente as academias de defesa pessoal dão muita ênfase na parte técnica e teórica e pouca aplicação em combates, etc.

O que é significantemente negativo, pois no sparring você se choca com a realidade, pode perceber o que está fazendo de errado e se corrigir, se adaptar a distâncias de combate e, principalmente, perder o medo, ou aprender a controlá-lo.

Se você não pratica combate para aplicar as técnicas que está aprendendo, pode se dar mal na hora H contra um marginal que está acostumado a brigar por aí na rua!

Muitas academias de musculação estão promovendo o Kickboxing como disciplina para modelar o corpo, melhorar a saúde e gerar bem estar. Claro que ali, não vai haver ênfase na luta, mas sim no exercício físico.

Muitas academias de Krav Magá são frequentadas por gente da alta sociedade, mauricinhos, mulheres e idosos que não querem levar um tapa, um arranhão, arriscar um olho roxo... Imagino, por isso que os professores se adaptam e devem haver treinos light e treinos hard, dependendo dos alunos.

Mas, há a possibilidade do interessado em "solicitar" aulas particulares para luta efetiva e trocação!

Claro que haverá um custo, mas sempre foi assim.

Ipman deu aulas particulares para Bruce Lee, para Duncan Leung, entre outros. O que fez realmente a diferença para eles!!!


..." Observando as técnicas dos alunos mais antigos, foi a Yip Man e disse: "Isto é tudo que aprenderei?" - Pois Duncan já não estava mais tão impressionado. Yip Man disse: "Se você quer aprender Wing Chun de verdade, precisa de três coisas: Ter coragem, não ter namorada, e ter mais dinheiro pra me ajudar, pois aqui (Hong Kong - colônia Inglêsa) tudo é comérico". A partir de então, Duncan passou a ter aulas individuais em sua casa pagando $ 300,00 (o salario de um policial da época era de $ 270,00) até o período de quatro anos e meio com o idoso Mestre Yip Man, concluindo o sistema. Em 1959 teve de viajar para a Austrália para cursar o ensino superior em Comercio Exterior e em 1970 mudou-se para os EUA. Hoje, reside seis meses na China e seis meses nos EUA.

Em 1970 começou a dar aulas a policiais americanos, em New York. Nos anos 80 passou a treinar o "Seal Team" - grupo especial da Marinha norte-americana. A seguir, ministrou aulas para a SWAT e o FBI em Virginia Beach, sendo o único Chines a morar na cidade dos militares em Virgina Beach."
Polonês
 
Mensagens: 15
Registrado em: 16/01/2017 13:09

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Luiz Felipe » 27/01/2019 07:52

Pratico e ensino artes marciais há muitos anos e consequentemente tem muitos amigos neste meio. O tópico de que as lutas, que em um primeiro momento, foram criadas para situações de guerra e salvaguardar a vida, hoje se tornaram esporte, sempre surge nos debates. Conheço muitos professores, excelentes lutadores, os quais me confessaram não entender bem o como usar suas técnicas em situações reais. Assim, cursos de defesa pessoal de um dia e similares são inúteis ao leigo, visto que agir em uma situação de agressão exige preparo físico e emocional muito mais que técnico. Acho muito ais relevante ensinarmos as pessoas, leigas, o como agir para não serem vítimas, antes que as sejam. Ou seja, antes de ensinar-lhes a lutar (porque perícia leva tempo), orientar-lhes como evitar entrar em situações de crise (no trânsito, em situações de bullying, violência doméstica etc)
Luiz Felipe
 
Mensagens: 1
Registrado em: 27/01/2019 07:41

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Hunter9999 » 31/01/2019 16:42

O TEXTO ABAIXO É UMA SÁTIRA DE SISTEMAS DE “DEFESA PESSOAL”. NÃO ESTOU CRITICANDO NENHUM SISTEMA ESPECÍFICO AQUI, ATÉ PORQUE O “SCRIPT” DE TODOS É MUITO SEMELHANTE.


Entrevistador: Boa noite a todos ! Nosso entrevistado de hoje é o mestre do sistema ASTECA de defesa pessoal, desenvolvido há séculos no México e introduzido no Brasil pelo mestre. O principal golpe da luta consiste em arrancar o coração do adversário. Seja muito bem vindo professor. Me explique mais sobre o seu sistema.

Mestre: Boa noite. É uma satisfação participar do seu programa. Então, o sistema ASTECA, desenvolvido pelo Imperador Montezuma para enfrentar tribos rivais no México do século XVI, é voltado para a realidade das ruas onde não há regras ! Nas outras academias você aprende a lutar no tatame, cheio de regrinhas e protocolos, mas aqui você aprende a arrancar o coração do inimigo !


Entrevistador: Mas se uma pessoa sozinha, desarmada, menor do que você, vai te dar um tabefe, e você arranca o coração dele, isto não é excesso de legítima defesa ?

Mestre: Isso é papinho de advogado frufru dos direitos humanos. Na rua não há regras. Na rua, ou você mata....ou você morre !


Entrevistador : Entendi...mas vocês praticam isto de fato ? vocês arrancam coração de alguém no treino ? Vocês fazem sparring de "arrancar coração"?

Mestre : Claro que não ! nossa técnica é sinistra demais ! Se fôssemos fazer sparring ia ser um genocídio de praticantes ! Não nos preocupamos com combate porque combate tem regras, e nosso sistema é voltado para a realidade das ruas !


Entrevistador: Mas como vou saber se a minha “arrancada de coração” está com a distância e o impacto certo se eu não pratiquei em combate ?

Mestre: Vou explicar. No século XVI o imperador ASTECA Montezuma reuniu seus melhores guerreiros, que estudaram os escritos milenares de batalha desde a pré-história, para desenvolver um sistema para enfrentar as outras tribos do México. Concluíram que o golpe mais importante é arrancar o coração do inimigo. Basta você ver as conquistas militares dos ASTECAS para ver que o sistema funciona. Montezuma tinha 500 cidades sob seu comando ! Tá certo que eles perderam do Hernan Cortez, mas deram uma suadeira nos gringos.


Entrevistador: Professor, eu não entendo ! Como vou saber se você é bom mesmo se eu nunca te vi lutar ? Qual é a diferença entre você e um cara qualquer que sai por aí dizendo que sabe arrancar o coração das pessoas ?

Mestre: Excelente questão ! A diferença é que eu sou o único que treinou com o Mestre ASTECA lá no México, que é da linhagem direta de discípulos do imperador Montezuma. Sou nono dan, tenho todos os certificados e se quiser te mostro os bilhetes de passagem para o México.


Entrevistador: Professor, eu já entendi que vocês não competem. Mas tem algum vídeo seu no youtube fazendo luvas com aluno, pelo menos ?

Mestre: Claro que não ! Não tem sentido eu fazer um “vídeo de luvas” porque o sistema ASTECA é focado na realidade brutal das ruas onde não existem luvas, o que importa é arrancar o coração do inimigo !


Entrevistador: Professor, com todo o respeito mas...vocês não lutam de fato e eu nunca vi um vídeo seu lutando.

Mestre: Não quer acreditar? Então vai lá treinar uma lutinha de tatame cheia de regrinhas e que não pode fazer nada. Vai lá e seja um franguinho que nem o Connor McGregor ou o Mike Tyson ou o Fedor Emelianenko. Esses caras não tem a menor ideia do que é sair na porrada porque eles não lutam nas ruas ! Olha, viu...esse frouxo do McGregor aí pode até me derrotar num tatame por pontos...mas se eu encontrar o cara na rua eu arranco o coração dele !

Entrevistador: Perfeito, professor...algum recado final para nossos telespectadores ?

Mestre: Sim, muito importante: Só treinem com quem for da linhagem DIRETA de Montezuma (da qual sou o único representante no Brasil) ! Se for linhagem colateral, tipo primo do Montezuma, esqueçam ! Não é original !


ESCLARECIMENTO: NÃO HÁ, AQUI, QUALQUER PROPÓSITO DE IRONIZAR O IMPÉRIO ASTECA OU A COMUNIDADE INDÍGENA CENTRO-AMERICANA. O MEU OBJETIVO FOI RIDICULARIZAR A FORMA COMO OS BRASILEIROS IDOLATRAM MESTRES ESTRANGEIROS EXÓTICOS DE SUPOSTO HISTÓRICO MÍSTICO-MILITAR.
Hunter9999
 
Mensagens: 3
Registrado em: 08/01/2019 15:56

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Erick Tamberg » 04/02/2019 13:10

Relendo os textos do finado Sérgio Coló Moore, encontrei uma observação bastante sensata: a melhor forma de defesa pessoal é treinar CORRIDA. Segundo ele, foi o que o manteve vivo enquanto atuava como partisan na II Guerra Mundial.
Erick Tamberg
 
Mensagens: 648
Registrado em: 09/06/2016 13:50

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Rafael Oliveira » 07/02/2019 10:55

Hunter9999 escreveu:Treinei Krav Maga por seis anos e parei por discordância de natureza técnico-metodológica. Primeiro esclarecimento: existem MUITOS krav magas por aí, e toda a minha experiência diz respeito à FSAKM (Mestre Kobi).
Pontos positivos:
1. Parte física - o treino tem uma ginástica bem elaborada, proporcional, com baixo risco de contusão. Os exames de faixa têm prova física e eu acho isso bom, porque te faz evoluir.
2. Reflexo - o Krav Maga tem muitos exercícios de simulação de ataque que contribuem para o desenvolvimento do reflexo instintivo. Para vocês terem noção, várias vezes alguém foi me cumprimentar com tapinha nas costas e eu levantei o braço instintivamente, como se fosse me atacar.
3. "Awareness" - estes exercícios de simulação de ataque com várias pessoas ajudam a desenvolver uma "percepção" no sentido de vc estar sempre olhando para os lados.

4. Variedade -O Krav trabalha em pé, deitado, de lado, sentado, agressão com várias pessoas, agressão contra uma pessoa que não é você mas vc quer defender, faca, bastão, arma de fogo.

5. Técnicas anti-estupro/feminicídio - importante para mulheres: há técnicas para situações do tipo "um cara te agarrando por trás", ou estrangulamento por trás.
6. Técnicas com armas – eu sou crítico da FORMA como a parte anti-revólver e anti-faca são dadas, mas o fato de o programa incluir estas técnicas é positivo.
7. Promoção de uma ideologia de autodefesa. Daí é opinião pessoal e subjetiva mesmo. Sou profundamente favorável ao direito do cidadão portar arma (dentro de certos limites de calibragem) e se defender. Acreditar que o Estado vai te defender é acreditar em Papai Noel ou em duende.
8. Formação dos instrutores : a FSAKM é muito exigente e o sujeito tem que ralar por muitos anos para ser professor. A exigência é alta tanto no sentido técnico como físico e comportamental.


Pontos negativos:

1. Demora dois anos pra começar a fazer luva ! Na faixa branca e amarela não tem luva, e na laranja tem luva só da parte de cima. Luva com soco e chute só a partir da verde.
2. Demora ANOS para ter desarme de arma de fogo. Imagino a cena: o sujeito entra na sua casa, quer estuprar a sua filha – uma situação que justifica a reação – e você fala assim para o bandido : “Sr. Ladrão/estuprador, vc pode voltar daqui a alguns anos ? A matéria de desarme de arma de fogo é só a partir da faixa azul !”

3. Carga de combate baixa - uma típica aula teria alguns minutos de treino ataque-defesa com luvas e alguns rounds de 30 segundos de combate livre. No máximo uns 2 minutos de combate livre por aula, com algumas exceções - e estas exceções são bem exceções. Dependendo do cronograma de matéria, se você vai só uma ou duas vezes por semana você pode ficar dois meses sem fazer luta.

4. TREINO BASEADO EM COREOGRAFIA E NÃO EM SPARRING- uma parte razoável das técnicas são ensinadas no esquema "um faz o golpe e o outro finge de morto", o que leva a uma falsa autoconfiança. Isto é especialmente importante no caso das "técnicas sujas" - não estou negando que técnicas "sujas" possam ser úteis numa briga, mas como você vai saber se a sua "dedada no olho" ou "apertão no saco" estão entrando bem se é impossível fazer um sparring de "dedada no olho" ou "apertão no saco" ?


5. Cerca de 50% das Técnicas são ruins/surreais ou só funcionam com um cara bêbado ou muito mais fraco. Exemplos:

5.1 Defesa de soco em que você dá um "tapa" na mão do cara.

5.2 Defesa contra queda em que você dá "soquinhos" na cabeça do cara e depois puxa pelo olho. A princípio, parece sinistro (nossa, puxa pelo olho) mas qualquer um que já fez jiujitsu sabe a VELOCIDADE com que os praticantes do jj te põem no chão e não iam nem perceber os soquinhos.

5.3 Defesa contra queda em que você dá uma joelhada - EI, o cara de jj te agarra pra te mandar para o chão e você vai ajudar ele tirando uma perna no chão ?

5.4 Defesas contra facas - no Krav Maga o treino anti-faca é baseado em agressões “zumbis” que dão estocadas psicóticas de cima pra baixo e de baixo pra cima, sem nenhum swing, enquanto o outro braço fica parado (assistiram o filme Psicose ?). O treino contraria todo o registro histórico de ataques - quase sempre o atacante usa a mão vazia para pegar a vítima.
Na aula, na parte anti-faca, eu nunca vi o professor falar algo do tipo "olha pessoal, faca é um lance muito perigoso, se alguém te ameaçar com faca e você estiver desarmado, ou você corre ou faz o que o cara quiser, reagir só se for estupro, ou se o cara quiser te matar de qualquer jeito". Não vi nenhum instrutor dizer isto. Uma pessoa inocente ou nova vai achar que sair na mão com um cara com uma faca é algo "normal". E não é ! Se você for atacado por um agressor com faca, o melhor é vc TER uma faca. Se não tiver, corre ! Se não puder correr, joga algo em cima da faca ! Se nada disse der certo, ok, vamos treinar anti-faca, mas então treina DIREITO, com sparring pesado e tinta na ponta da faca de plástico pra ver depois se acertou.
O que acho inaceitável é esse treino em que o atacante congela no primeiro contato com o defensor – e daí o defensor termina a técnica sozinho.

5.5 Defesa contra chute frontal em que você pula para o lado e afasta a perna do cara com a mão - ótimo pra quebrar a mão, funcionaria contra um atacante em câmera lenta. Os próprios instrutores do krav admitem que na hora que vem o chute, não dá tempo de saber se é um chute frontal ou lateral, e por isto esta defesa não funciona.

5.6 Defesa contra chute em que você acerta a perna do cara "enquanto" ela começou a subir. Ótima contra um adversário em câmera lenta.

5.7 Saída do "100 kg" do jiu - não lembro como era a saída, mas lembro o que aconteceu : o instrutor foi demonstrar a defesa comigo e não conseguia sair (eu fiz anos de jiu antes do krav). Daí chegou uma hora em que começou a ficar constrangedor demais e eu deixei ele sair. Não queria ridicularizar o cara na frente dos alunos.
5.8 Técnicas ingênuas no chão. No Krav, vc aprende a “sair do chão o mais rápido possível”. Até aí concordo, o agressor pode ter um amigo que vai chegar chutando. Mas e se o agressor QUISER te levar para o chão (cenário muito realista no Brasil) ?? As saídas de montada são risíveis pra um praticante sério de JJ.

6. Irresponsabilidade. Vejam este vídeo a partir de 00:39 :

Acho uma completa irresponsabilidade um congresso sobre "como enfrentar assaltos violentos" e criar em donas de casa e adolescentes a percepção de que podem enfrentar malacos armados a partir de um treino coreografado. Daí vc pode perguntar : ah mas não é melhor fazer um treino coreografado idiota do que não fazer nada? Bem... O problema é que muita gente sai destes congressos com a sensação de que pode "enfrentar a violência urbana" - daí vai reagir desnecessariamente e vai morrer.


7. Ignorância dos aspectos jurídicos da defesa pessoal: na hipótese REMOTA de a sua dedada no olho funcionar numa briga, alguém acha que isso “não vai dar nada” do ponto de vista criminal ? Ou, se você derruba um cara e continua chutando ele caído no chão, alguém aqui não sabe que isso é excesso de legítima defesa e vai te dar um processo?
8. Culto ao originalismo. O Krav Maga foi desenvolvido na Bratislava nos anos 40 pelo Imi Lichtenfeld e os mestres se propõem a “dar continuidade à obra”. Isso é ruim, por que ? Porque segurança é algo que depende do contexto social e cultural. Andar com espada ou lança e armadura em São Paulo seria ótimo, mas você ia ser colocado em um hospício. A legislação é um fato importantíssimo: por exemplo, o conceito jurídico de legítima defesa do Texas é diferente do de Londres. A mesma técnica que no Texas não vai dar nem termo de ocorrência vai te por na cadeia em Londres. Os tipos de agressores também são diferentes: os fascistas e nazistas dos anos 40, na minha opinião, eram MUITO INFERIORES aos jiujiteiros carioca de hoje. O curso “ideal” de defesa pessoal não existe porque o aspecto cultural é uma condicionante muito forte.
9. Culto ao militarismo. Usam como propaganda o papo de ser a “defesa pessoal do exército israelense”. Isso é bom ou ruim? Para um civil, ruim. Porque um policial/soldado NÃO precisa ser muito bom em luta corporal. O policial/soldado tem que ser um ATIRADOR monstro – não um lutador ! O combate corpo-a-corpo não é e nem poderia ser prioridade para um exército moderno. Pensando no contexto brasileiro: qual é a probabilidade de um policial do BOPE lutar desarmado contra um traficante?
10. Mistificação da “realidade da rua” – “na rua não há regras”, “na rua o que importa é sair vivo”, etc. Kct, é claro que existem regras na rua ! Tem o aspecto jurídico-criminal que eu já mencionei, e outro: se você assassinar um malaco “barra-pesada” numa briga, os parças dele não vão te caçar não? Óbvio que se o cara fosse te matar de qualquer jeito é melhor você matá-lo, mas dizer que na rua não há regras é uma mentira absurda.


Pontos que são fracos ou fortes dependendo da pessoa:

1. Técnicas militares inúteis para civis - imobilização com bastão ou combate com fuzis : útil para militares/policiais, inútil para civis.

2. Culto à personalidade do "mestre" Kobi - que não pode ser chamado apenas de Kobi, mas sim de mestre Kobi (sim eu vi um cara tomar bronca por isso). As pessoas idolatram um cara que ninguém nunca viu lutando - não existe um único vídeo dele fazendo luva com alguém. Esta idolatria não me incomoda, acho apenas bobo.

3. Técnicas de soltura de mãos e soltura de cabelo. Talvez seja útil pra mulher em balada, pra mim é perda de tempo.

4. Baixo risco de se machucar - bom e ruim ao mesmo tempo, o risco é baixo justamente porque tem POUCO COMBATE. Mas para algumas pessoas isto é o ideal: uma aula tranquila, com muito treino técnico coreografado e um pouco de sparring só pra ter uma noção.

Ponderações
NÃO ACREDITO EM TÉCNICA DE LUTA FORA DO CONTEXTO DE COMBATE/SPARRING. Se você tem uma técnica que é “sinistra demais para fazer sparring”, isto não é uma técnica, é uma possibilidade de ação. Sem o sparring, como você vai testar se realmente funciona? Como você vai aprimorar o movimento sem saber como funciona diante de um adversário ativo?
NO COMBATE, A POSIÇÃO DO AGRESSOR MUDA O TEMPO TODO. O centro de massa muda, então aquela “derrubada” que funcionava tão bem com o cara parado não funciona mais, a posição do rosto e do corpo mudam. Por isto esta ideia de que se você aperfeiçoar muito a técnica, treinando milhares de vezes, vai por si só aumentar sua eficiência é falsa...mesmo na teoria !
SOU CÉTICO EM RELAÇÃO AO CONCEITO DE “DEFESA PESSOAL”. Quando saímos do contexto de combate esportivo e tentamos pensar em “situações reais”, o número de variáveis envolvidas é tão absurdo que fica difícil montar um treinamento formal. Ninguém aqui duvidaria que jogar uma cadeira, um açucareiro ou uma xícara de café no agressor funcionaria, mas faz sentido montar um treinamento formal ensinando alguém a se defender usando cadeira/açucareiro/xícara ?
Me impressiona, no pessoal do krav, uma postura de desprezo pelo combate de competição, do tipo “ah o MMA só funciona nos ringues”. Como se o lutador de MMA fosse um bobão que numa briga de rua fosse lutar rigorosamente de acordo com as regras do ringue. Algo impede o Connor McGregor de jogar uma cadeira no agressor ou de dar um chute no saco?
O que funciona na temível “realidade das ruas” ?
1 – Morar em apartamento, num bairro seguro, olhar para os lados sempre, tomar cuidado na hora de entrar e sair do carro, não parar próximo ao semáforo, muita atenção com motoqueiros (se for possível se distanciar), não deixar bolsa no banco do passageiro, dependendo do local esconder anéis/relógios/joias.
2 – Andar em grupo.
3 – Nas regiões da periferia, CONHECER os malacos da região.
4 – Andar armado, nos contextos mais complicados, e saber usar a arma – coisa que o krav maga não vai te ensinar (pelo menos até onde eu conheci).
5 – Andar com algo que você possa usar como arma ou como contenção, como um agasalho ou mochila.
6 – Se for pego por um assaltante, tenta transmitir calma, evita movimentos bruscos e faz o que o cara mandar (exceto se for estupro, lógico).
7 – Se tiver que reagir mesmo, na minha opinião a prática de combate esportivo vai te ajudar mais a lidar com a situação do que os treinos coreografados que fiz no krav maga em que o sujeito te ataca e congela no ar. E, se o cara estiver armado e você não, eu diria que tem 90% de chance de que você se fodeu.

REFLEXO, FORÇA E VIOLÊNCIA SÃO MAIS IMPORTANTES DO QUE TÉCNICA. Técnica é só um elemento a mais. Alguém duvida que um atleta profissional de qualquer esporte de força/explosão daria um bom contendor numa briga, mesmo sem nunca ter treinado luta?

MAS, ENTÃO, VOCÊ RECOMENDA OU NÃO O KRAV MAGA ?

1. Uma parte do treino do krav (especialmente o treino de reflexo/”awareness”/exercícios com 2 ou mais agressores)seria um bom complemento para alguém que também treina MT/JJ/MMA/box. Krav Maga como arte marcial principal/exclusiva? Não recomendo.
2. Em relação à parte de desarme de arma de fogo (fiz um seminário deste tema, não tive na aula normal porque parei na faixa verde), não tenho conhecimento para avaliar se a técnica é boa ou não, perguntem a um policial.
3. A forma como a defesa contra facas é abordada pelo krav é desastrosa e irresponsável.


Quase perdi esse excelente comentário. Concordo muito com ele e até por isso nunca levei muito a sério o Krav Magá que ensinam por aí.

Erick Tamberg escreveu:Relendo os textos do finado Sérgio Coló Moore, encontrei uma observação bastante sensata: a melhor forma de defesa pessoal é treinar CORRIDA. Segundo ele, foi o que o manteve vivo enquanto atuava como partisan na II Guerra Mundial.


No tempo que morei no centro de SP e voltava a pé da faculdade ou de festas para casa, a corrida foi disparado o melhor método de escapar de assaltos e agressões. Claro que tem que se antecipar. Se o cara estiver perto e armado melhor não correr. O ideal é não ter vergonha e correr logo que constatar uma possível ameaça hahaha.
Rafael Oliveira
 
Mensagens: 391
Registrado em: 11/12/2017 06:10

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Dom Cielo » 14/03/2019 17:49

Sistema mais próximo do ideal é um misto de teatro e eficiência, obviamente não nesta mesma ordem. Ter boa base em artes completas, como MMA, obviamente te dá uma vantagem enorme sobre um cara que soca no estilo "pombo voador". Uma queda bem aplicada pode acabar com a agressão. Junte a isso a sua capacidade de enganar ou disfarçar, aparentar não ter a menor intenção de reagir ou estar completamente sob as ordens do agressor e em um momento de distração do mesmo, agredir com força ou técnica suficiente para colocá-lo fora de ação por um bom tempo. Nesta encenação, vale até mostrar estar apavorado e usar aquela pedra no chão, uma quina de parede, enfim, qualquer meio eficiente. Pratiquei Shotokan e Wado-Ryu por alguns anos e não confiaria apenas nas técnicas tradicionais de uma arte marcial (que sim, te dão uma vantagem grande sobre um agressor despreparado para o combate físico, especialmente se o mesmo estiver sozinho), porque hoje qualquer pivete te ataca com uma arma de fogo ou branca. Treino, estar sempre pronto e enganar... são uma combinação não muito bonita, mas pode ser eficiente.
Dom Cielo
 
Mensagens: 24
Registrado em: 03/08/2016 12:51

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor John Galt » 09/05/2019 11:43

Hunter9999 escreveu:Treinei Krav Maga por seis anos e parei por discordância de natureza técnico-metodológica. Primeiro esclarecimento: existem MUITOS krav magas por aí, e toda a minha experiência diz respeito à FSAKM (Mestre Kobi).
Pontos positivos:
1. Parte física - o treino tem uma ginástica bem elaborada, proporcional, com baixo risco de contusão. Os exames de faixa têm prova física e eu acho isso bom, porque te faz evoluir.
2. Reflexo - o Krav Maga tem muitos exercícios de simulação de ataque que contribuem para o desenvolvimento do reflexo instintivo. Para vocês terem noção, várias vezes alguém foi me cumprimentar com tapinha nas costas e eu levantei o braço instintivamente, como se fosse me atacar.
3. "Awareness" - estes exercícios de simulação de ataque com várias pessoas ajudam a desenvolver uma "percepção" no sentido de vc estar sempre olhando para os lados.

4. Variedade -O Krav trabalha em pé, deitado, de lado, sentado, agressão com várias pessoas, agressão contra uma pessoa que não é você mas vc quer defender, faca, bastão, arma de fogo.

5. Técnicas anti-estupro/feminicídio - importante para mulheres: há técnicas para situações do tipo "um cara te agarrando por trás", ou estrangulamento por trás.
6. Técnicas com armas – eu sou crítico da FORMA como a parte anti-revólver e anti-faca são dadas, mas o fato de o programa incluir estas técnicas é positivo.
7. Promoção de uma ideologia de autodefesa. Daí é opinião pessoal e subjetiva mesmo. Sou profundamente favorável ao direito do cidadão portar arma (dentro de certos limites de calibragem) e se defender. Acreditar que o Estado vai te defender é acreditar em Papai Noel ou em duende.
8. Formação dos instrutores : a FSAKM é muito exigente e o sujeito tem que ralar por muitos anos para ser professor. A exigência é alta tanto no sentido técnico como físico e comportamental.


Pontos negativos:

1. Demora dois anos pra começar a fazer luva ! Na faixa branca e amarela não tem luva, e na laranja tem luva só da parte de cima. Luva com soco e chute só a partir da verde.
2. Demora ANOS para ter desarme de arma de fogo. Imagino a cena: o sujeito entra na sua casa, quer estuprar a sua filha – uma situação que justifica a reação – e você fala assim para o bandido : “Sr. Ladrão/estuprador, vc pode voltar daqui a alguns anos ? A matéria de desarme de arma de fogo é só a partir da faixa azul !”

3. Carga de combate baixa - uma típica aula teria alguns minutos de treino ataque-defesa com luvas e alguns rounds de 30 segundos de combate livre. No máximo uns 2 minutos de combate livre por aula, com algumas exceções - e estas exceções são bem exceções. Dependendo do cronograma de matéria, se você vai só uma ou duas vezes por semana você pode ficar dois meses sem fazer luta.

4. TREINO BASEADO EM COREOGRAFIA E NÃO EM SPARRING- uma parte razoável das técnicas são ensinadas no esquema "um faz o golpe e o outro finge de morto", o que leva a uma falsa autoconfiança. Isto é especialmente importante no caso das "técnicas sujas" - não estou negando que técnicas "sujas" possam ser úteis numa briga, mas como você vai saber se a sua "dedada no olho" ou "apertão no saco" estão entrando bem se é impossível fazer um sparring de "dedada no olho" ou "apertão no saco" ?


5. Cerca de 50% das Técnicas são ruins/surreais ou só funcionam com um cara bêbado ou muito mais fraco. Exemplos:

5.1 Defesa de soco em que você dá um "tapa" na mão do cara.

5.2 Defesa contra queda em que você dá "soquinhos" na cabeça do cara e depois puxa pelo olho. A princípio, parece sinistro (nossa, puxa pelo olho) mas qualquer um que já fez jiujitsu sabe a VELOCIDADE com que os praticantes do jj te põem no chão e não iam nem perceber os soquinhos.

5.3 Defesa contra queda em que você dá uma joelhada - EI, o cara de jj te agarra pra te mandar para o chão e você vai ajudar ele tirando uma perna no chão ?

5.4 Defesas contra facas - no Krav Maga o treino anti-faca é baseado em agressões “zumbis” que dão estocadas psicóticas de cima pra baixo e de baixo pra cima, sem nenhum swing, enquanto o outro braço fica parado (assistiram o filme Psicose ?). O treino contraria todo o registro histórico de ataques - quase sempre o atacante usa a mão vazia para pegar a vítima.
Na aula, na parte anti-faca, eu nunca vi o professor falar algo do tipo "olha pessoal, faca é um lance muito perigoso, se alguém te ameaçar com faca e você estiver desarmado, ou você corre ou faz o que o cara quiser, reagir só se for estupro, ou se o cara quiser te matar de qualquer jeito". Não vi nenhum instrutor dizer isto. Uma pessoa inocente ou nova vai achar que sair na mão com um cara com uma faca é algo "normal". E não é ! Se você for atacado por um agressor com faca, o melhor é vc TER uma faca. Se não tiver, corre ! Se não puder correr, joga algo em cima da faca ! Se nada disse der certo, ok, vamos treinar anti-faca, mas então treina DIREITO, com sparring pesado e tinta na ponta da faca de plástico pra ver depois se acertou.
O que acho inaceitável é esse treino em que o atacante congela no primeiro contato com o defensor – e daí o defensor termina a técnica sozinho.

5.5 Defesa contra chute frontal em que você pula para o lado e afasta a perna do cara com a mão - ótimo pra quebrar a mão, funcionaria contra um atacante em câmera lenta. Os próprios instrutores do krav admitem que na hora que vem o chute, não dá tempo de saber se é um chute frontal ou lateral, e por isto esta defesa não funciona.

5.6 Defesa contra chute em que você acerta a perna do cara "enquanto" ela começou a subir. Ótima contra um adversário em câmera lenta.

5.7 Saída do "100 kg" do jiu - não lembro como era a saída, mas lembro o que aconteceu : o instrutor foi demonstrar a defesa comigo e não conseguia sair (eu fiz anos de jiu antes do krav). Daí chegou uma hora em que começou a ficar constrangedor demais e eu deixei ele sair. Não queria ridicularizar o cara na frente dos alunos.
5.8 Técnicas ingênuas no chão. No Krav, vc aprende a “sair do chão o mais rápido possível”. Até aí concordo, o agressor pode ter um amigo que vai chegar chutando. Mas e se o agressor QUISER te levar para o chão (cenário muito realista no Brasil) ?? As saídas de montada são risíveis pra um praticante sério de JJ.

6. Irresponsabilidade. Vejam este vídeo a partir de 00:39 :

Acho uma completa irresponsabilidade um congresso sobre "como enfrentar assaltos violentos" e criar em donas de casa e adolescentes a percepção de que podem enfrentar malacos armados a partir de um treino coreografado. Daí vc pode perguntar : ah mas não é melhor fazer um treino coreografado idiota do que não fazer nada? Bem... O problema é que muita gente sai destes congressos com a sensação de que pode "enfrentar a violência urbana" - daí vai reagir desnecessariamente e vai morrer.


7. Ignorância dos aspectos jurídicos da defesa pessoal: na hipótese REMOTA de a sua dedada no olho funcionar numa briga, alguém acha que isso “não vai dar nada” do ponto de vista criminal ? Ou, se você derruba um cara e continua chutando ele caído no chão, alguém aqui não sabe que isso é excesso de legítima defesa e vai te dar um processo?
8. Culto ao originalismo. O Krav Maga foi desenvolvido na Bratislava nos anos 40 pelo Imi Lichtenfeld e os mestres se propõem a “dar continuidade à obra”. Isso é ruim, por que ? Porque segurança é algo que depende do contexto social e cultural. Andar com espada ou lança e armadura em São Paulo seria ótimo, mas você ia ser colocado em um hospício. A legislação é um fato importantíssimo: por exemplo, o conceito jurídico de legítima defesa do Texas é diferente do de Londres. A mesma técnica que no Texas não vai dar nem termo de ocorrência vai te por na cadeia em Londres. Os tipos de agressores também são diferentes: os fascistas e nazistas dos anos 40, na minha opinião, eram MUITO INFERIORES aos jiujiteiros carioca de hoje. O curso “ideal” de defesa pessoal não existe porque o aspecto cultural é uma condicionante muito forte.
9. Culto ao militarismo. Usam como propaganda o papo de ser a “defesa pessoal do exército israelense”. Isso é bom ou ruim? Para um civil, ruim. Porque um policial/soldado NÃO precisa ser muito bom em luta corporal. O policial/soldado tem que ser um ATIRADOR monstro – não um lutador ! O combate corpo-a-corpo não é e nem poderia ser prioridade para um exército moderno. Pensando no contexto brasileiro: qual é a probabilidade de um policial do BOPE lutar desarmado contra um traficante?
10. Mistificação da “realidade da rua” – “na rua não há regras”, “na rua o que importa é sair vivo”, etc. Kct, é claro que existem regras na rua ! Tem o aspecto jurídico-criminal que eu já mencionei, e outro: se você assassinar um malaco “barra-pesada” numa briga, os parças dele não vão te caçar não? Óbvio que se o cara fosse te matar de qualquer jeito é melhor você matá-lo, mas dizer que na rua não há regras é uma mentira absurda.


Pontos que são fracos ou fortes dependendo da pessoa:

1. Técnicas militares inúteis para civis - imobilização com bastão ou combate com fuzis : útil para militares/policiais, inútil para civis.

2. Culto à personalidade do "mestre" Kobi - que não pode ser chamado apenas de Kobi, mas sim de mestre Kobi (sim eu vi um cara tomar bronca por isso). As pessoas idolatram um cara que ninguém nunca viu lutando - não existe um único vídeo dele fazendo luva com alguém. Esta idolatria não me incomoda, acho apenas bobo.

3. Técnicas de soltura de mãos e soltura de cabelo. Talvez seja útil pra mulher em balada, pra mim é perda de tempo.

4. Baixo risco de se machucar - bom e ruim ao mesmo tempo, o risco é baixo justamente porque tem POUCO COMBATE. Mas para algumas pessoas isto é o ideal: uma aula tranquila, com muito treino técnico coreografado e um pouco de sparring só pra ter uma noção.

Ponderações
NÃO ACREDITO EM TÉCNICA DE LUTA FORA DO CONTEXTO DE COMBATE/SPARRING. Se você tem uma técnica que é “sinistra demais para fazer sparring”, isto não é uma técnica, é uma possibilidade de ação. Sem o sparring, como você vai testar se realmente funciona? Como você vai aprimorar o movimento sem saber como funciona diante de um adversário ativo?
NO COMBATE, A POSIÇÃO DO AGRESSOR MUDA O TEMPO TODO. O centro de massa muda, então aquela “derrubada” que funcionava tão bem com o cara parado não funciona mais, a posição do rosto e do corpo mudam. Por isto esta ideia de que se você aperfeiçoar muito a técnica, treinando milhares de vezes, vai por si só aumentar sua eficiência é falsa...mesmo na teoria !
SOU CÉTICO EM RELAÇÃO AO CONCEITO DE “DEFESA PESSOAL”. Quando saímos do contexto de combate esportivo e tentamos pensar em “situações reais”, o número de variáveis envolvidas é tão absurdo que fica difícil montar um treinamento formal. Ninguém aqui duvidaria que jogar uma cadeira, um açucareiro ou uma xícara de café no agressor funcionaria, mas faz sentido montar um treinamento formal ensinando alguém a se defender usando cadeira/açucareiro/xícara ?
Me impressiona, no pessoal do krav, uma postura de desprezo pelo combate de competição, do tipo “ah o MMA só funciona nos ringues”. Como se o lutador de MMA fosse um bobão que numa briga de rua fosse lutar rigorosamente de acordo com as regras do ringue. Algo impede o Connor McGregor de jogar uma cadeira no agressor ou de dar um chute no saco?
O que funciona na temível “realidade das ruas” ?
1 – Morar em apartamento, num bairro seguro, olhar para os lados sempre, tomar cuidado na hora de entrar e sair do carro, não parar próximo ao semáforo, muita atenção com motoqueiros (se for possível se distanciar), não deixar bolsa no banco do passageiro, dependendo do local esconder anéis/relógios/joias.
2 – Andar em grupo.
3 – Nas regiões da periferia, CONHECER os malacos da região.
4 – Andar armado, nos contextos mais complicados, e saber usar a arma – coisa que o krav maga não vai te ensinar (pelo menos até onde eu conheci).
5 – Andar com algo que você possa usar como arma ou como contenção, como um agasalho ou mochila.
6 – Se for pego por um assaltante, tenta transmitir calma, evita movimentos bruscos e faz o que o cara mandar (exceto se for estupro, lógico).
7 – Se tiver que reagir mesmo, na minha opinião a prática de combate esportivo vai te ajudar mais a lidar com a situação do que os treinos coreografados que fiz no krav maga em que o sujeito te ataca e congela no ar. E, se o cara estiver armado e você não, eu diria que tem 90% de chance de que você se fodeu.

REFLEXO, FORÇA E VIOLÊNCIA SÃO MAIS IMPORTANTES DO QUE TÉCNICA. Técnica é só um elemento a mais. Alguém duvida que um atleta profissional de qualquer esporte de força/explosão daria um bom contendor numa briga, mesmo sem nunca ter treinado luta?

MAS, ENTÃO, VOCÊ RECOMENDA OU NÃO O KRAV MAGA ?

1. Uma parte do treino do krav (especialmente o treino de reflexo/”awareness”/exercícios com 2 ou mais agressores)seria um bom complemento para alguém que também treina MT/JJ/MMA/box. Krav Maga como arte marcial principal/exclusiva? Não recomendo.
2. Em relação à parte de desarme de arma de fogo (fiz um seminário deste tema, não tive na aula normal porque parei na faixa verde), não tenho conhecimento para avaliar se a técnica é boa ou não, perguntem a um policial.
3. A forma como a defesa contra facas é abordada pelo krav é desastrosa e irresponsável.


Post sensacional.
O vídeo mostra um pessoal totalmente gordo, sem preparo, até corcundas por falta de base muscular, é bem estranho.

Eu treino BJJ Gracie, me sinto muito bem em defesa pessoal, meu mestre tem 30 anos de lutas (judô, bjj, boxe inglês, muai thay) e é enfático ao dizer que, na visão dele, defesa pessoal é combo boxe inglês (swing, técnica, esquiva, etc) com BJJ de qualidade (submissão, técnica, força).

Cara, a turma do BJJ é muito forte! Pessoal tem 13% de gordura pra menos, densidade muscular absurda, cair na porrada com eles é fria.

O Krav-Magá é muito mal visto pelos Gracie por insistir em presumir que a vítima é um idiota que também não vai enfiar dedo no olho, dar chute no saco, etc, tal qual um lutador de BJJ também o fará na porrada de rua.

Aí dizem: ah, mas um oficial do exército israelense é foda! claro, além de ser altamente treinado fisicamente, o cara tem krav-magá e outras lutas no currículo, além de domínio de lâminas e armamento.
John Galt
 
Mensagens: 28
Registrado em: 08/05/2019 15:10

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Sergio-7 » 22/06/2019 12:37

Vou deixar a minha opinião, baseado no que eu conheço e ja treinei (Karate, Kendo e um pouco de Wing Chun)
Não existe uma arte marcial realmente melhor que a outra, o que existe é o praticamente mais bem preparado.

Não adianta querer resultados rápidos, um bom nível de habilidade só se adquire com o tempo, não tem outro jeito!

Depois que escolher um estilo, treine-o por pelo menos 5 anos, depois diversifique, aprenda mais coisas em outros estilos que te interessar.

Eu gosto muito do Karate e recomendo, mas muitas escolas apenas praticam o Karate de competição e treinam dentro da regra de competição por pontos. É necessário treinar em regra de full contact de vez em quando. Seja que estilo for, é preciso treinar a luta com contato as vezes, caso contrário seu desenvolvimento fica prejudicado.

Entre os estilo que eu mais recomendaria para quem visa autodefesa estão: Karate, Kudo, Sanda. Jiujitsu como um segundo estilo depois. Eu não pratiquei Jiujitso mas acho importante conhecer um pouco de luta no chão. Tem a ressalva que num situação de defesa, vc não pode levar a luta para o chão ou provavelmente vai morrer, porque nessas situações vc pode ter que enfrentar mais de um inimigo, e assim vc não tem tempo para lidar com um inimigo no chão.

Se quiser resultados rápidos, melhor desistir logo de cara pq não vai conseguir. Nas artes marciais vc realmente tem que subir degrau por degrau. Cinco anos de Karate te deixa em um nível decente principalmente se vc praticar a luta com contato.

Esqueça totalmente os filmes! No máximo eles ensinam a filosofia das artes corretamente e nada mais.
Editado pela última vez por Sergio-7 em 22/06/2019 23:53, em um total de 1 vez.
Sergio-7
 
Mensagens: 112
Registrado em: 18/10/2014 15:40

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Mag44 » 22/06/2019 16:21

Erick Tamberg escreveu:
Hunter9999 escreveu:Treinei Krav Maga por seis anos e parei por discordância de natureza técnico-metodológica. Primeiro esclarecimento: existem MUITOS krav magas por aí, e toda a minha experiência diz respeito à FSAKM (Mestre Kobi).
Pontos positivos:
1. Parte física - o treino tem uma ginástica bem elaborada, proporcional, com baixo risco de contusão. Os exames de faixa têm prova física e eu acho isso bom, porque te faz evoluir.
2. Reflexo - o Krav Maga tem muitos exercícios de simulação de ataque que contribuem para o desenvolvimento do reflexo instintivo. Para vocês terem noção, várias vezes alguém foi me cumprimentar com tapinha nas costas e eu levantei o braço instintivamente, como se fosse me atacar.
3. "Awareness" - estes exercícios de simulação de ataque com várias pessoas ajudam a desenvolver uma "percepção" no sentido de vc estar sempre olhando para os lados.

4. Variedade -O Krav trabalha em pé, deitado, de lado, sentado, agressão com várias pessoas, agressão contra uma pessoa que não é você mas vc quer defender, faca, bastão, arma de fogo.

5. Técnicas anti-estupro/feminicídio - importante para mulheres: há técnicas para situações do tipo "um cara te agarrando por trás", ou estrangulamento por trás.
6. Técnicas com armas – eu sou crítico da FORMA como a parte anti-revólver e anti-faca são dadas, mas o fato de o programa incluir estas técnicas é positivo.
7. Promoção de uma ideologia de autodefesa. Daí é opinião pessoal e subjetiva mesmo. Sou profundamente favorável ao direito do cidadão portar arma (dentro de certos limites de calibragem) e se defender. Acreditar que o Estado vai te defender é acreditar em Papai Noel ou em duende.
8. Formação dos instrutores : a FSAKM é muito exigente e o sujeito tem que ralar por muitos anos para ser professor. A exigência é alta tanto no sentido técnico como físico e comportamental.


Pontos negativos:

1. Demora dois anos pra começar a fazer luva ! Na faixa branca e amarela não tem luva, e na laranja tem luva só da parte de cima. Luva com soco e chute só a partir da verde.
2. Demora ANOS para ter desarme de arma de fogo. Imagino a cena: o sujeito entra na sua casa, quer estuprar a sua filha – uma situação que justifica a reação – e você fala assim para o bandido : “Sr. Ladrão/estuprador, vc pode voltar daqui a alguns anos ? A matéria de desarme de arma de fogo é só a partir da faixa azul !”

3. Carga de combate baixa - uma típica aula teria alguns minutos de treino ataque-defesa com luvas e alguns rounds de 30 segundos de combate livre. No máximo uns 2 minutos de combate livre por aula, com algumas exceções - e estas exceções são bem exceções. Dependendo do cronograma de matéria, se você vai só uma ou duas vezes por semana você pode ficar dois meses sem fazer luta.

4. TREINO BASEADO EM COREOGRAFIA E NÃO EM SPARRING- uma parte razoável das técnicas são ensinadas no esquema "um faz o golpe e o outro finge de morto", o que leva a uma falsa autoconfiança. Isto é especialmente importante no caso das "técnicas sujas" - não estou negando que técnicas "sujas" possam ser úteis numa briga, mas como você vai saber se a sua "dedada no olho" ou "apertão no saco" estão entrando bem se é impossível fazer um sparring de "dedada no olho" ou "apertão no saco" ?


5. Cerca de 50% das Técnicas são ruins/surreais ou só funcionam com um cara bêbado ou muito mais fraco. Exemplos:

5.1 Defesa de soco em que você dá um "tapa" na mão do cara.

5.2 Defesa contra queda em que você dá "soquinhos" na cabeça do cara e depois puxa pelo olho. A princípio, parece sinistro (nossa, puxa pelo olho) mas qualquer um que já fez jiujitsu sabe a VELOCIDADE com que os praticantes do jj te põem no chão e não iam nem perceber os soquinhos.

5.3 Defesa contra queda em que você dá uma joelhada - EI, o cara de jj te agarra pra te mandar para o chão e você vai ajudar ele tirando uma perna no chão ?

5.4 Defesas contra facas - no Krav Maga o treino anti-faca é baseado em agressões “zumbis” que dão estocadas psicóticas de cima pra baixo e de baixo pra cima, sem nenhum swing, enquanto o outro braço fica parado (assistiram o filme Psicose ?). O treino contraria todo o registro histórico de ataques - quase sempre o atacante usa a mão vazia para pegar a vítima.
Na aula, na parte anti-faca, eu nunca vi o professor falar algo do tipo "olha pessoal, faca é um lance muito perigoso, se alguém te ameaçar com faca e você estiver desarmado, ou você corre ou faz o que o cara quiser, reagir só se for estupro, ou se o cara quiser te matar de qualquer jeito". Não vi nenhum instrutor dizer isto. Uma pessoa inocente ou nova vai achar que sair na mão com um cara com uma faca é algo "normal". E não é ! Se você for atacado por um agressor com faca, o melhor é vc TER uma faca. Se não tiver, corre ! Se não puder correr, joga algo em cima da faca ! Se nada disse der certo, ok, vamos treinar anti-faca, mas então treina DIREITO, com sparring pesado e tinta na ponta da faca de plástico pra ver depois se acertou.
O que acho inaceitável é esse treino em que o atacante congela no primeiro contato com o defensor – e daí o defensor termina a técnica sozinho.

5.5 Defesa contra chute frontal em que você pula para o lado e afasta a perna do cara com a mão - ótimo pra quebrar a mão, funcionaria contra um atacante em câmera lenta. Os próprios instrutores do krav admitem que na hora que vem o chute, não dá tempo de saber se é um chute frontal ou lateral, e por isto esta defesa não funciona.

5.6 Defesa contra chute em que você acerta a perna do cara "enquanto" ela começou a subir. Ótima contra um adversário em câmera lenta.

5.7 Saída do "100 kg" do jiu - não lembro como era a saída, mas lembro o que aconteceu : o instrutor foi demonstrar a defesa comigo e não conseguia sair (eu fiz anos de jiu antes do krav). Daí chegou uma hora em que começou a ficar constrangedor demais e eu deixei ele sair. Não queria ridicularizar o cara na frente dos alunos.
5.8 Técnicas ingênuas no chão. No Krav, vc aprende a “sair do chão o mais rápido possível”. Até aí concordo, o agressor pode ter um amigo que vai chegar chutando. Mas e se o agressor QUISER te levar para o chão (cenário muito realista no Brasil) ?? As saídas de montada são risíveis pra um praticante sério de JJ.

6. Irresponsabilidade. Vejam este vídeo a partir de 00:39 :

Acho uma completa irresponsabilidade um congresso sobre "como enfrentar assaltos violentos" e criar em donas de casa e adolescentes a percepção de que podem enfrentar malacos armados a partir de um treino coreografado. Daí vc pode perguntar : ah mas não é melhor fazer um treino coreografado idiota do que não fazer nada? Bem... O problema é que muita gente sai destes congressos com a sensação de que pode "enfrentar a violência urbana" - daí vai reagir desnecessariamente e vai morrer.


7. Ignorância dos aspectos jurídicos da defesa pessoal: na hipótese REMOTA de a sua dedada no olho funcionar numa briga, alguém acha que isso “não vai dar nada” do ponto de vista criminal ? Ou, se você derruba um cara e continua chutando ele caído no chão, alguém aqui não sabe que isso é excesso de legítima defesa e vai te dar um processo?
8. Culto ao originalismo. O Krav Maga foi desenvolvido na Bratislava nos anos 40 pelo Imi Lichtenfeld e os mestres se propõem a “dar continuidade à obra”. Isso é ruim, por que ? Porque segurança é algo que depende do contexto social e cultural. Andar com espada ou lança e armadura em São Paulo seria ótimo, mas você ia ser colocado em um hospício. A legislação é um fato importantíssimo: por exemplo, o conceito jurídico de legítima defesa do Texas é diferente do de Londres. A mesma técnica que no Texas não vai dar nem termo de ocorrência vai te por na cadeia em Londres. Os tipos de agressores também são diferentes: os fascistas e nazistas dos anos 40, na minha opinião, eram MUITO INFERIORES aos jiujiteiros carioca de hoje. O curso “ideal” de defesa pessoal não existe porque o aspecto cultural é uma condicionante muito forte.
9. Culto ao militarismo. Usam como propaganda o papo de ser a “defesa pessoal do exército israelense”. Isso é bom ou ruim? Para um civil, ruim. Porque um policial/soldado NÃO precisa ser muito bom em luta corporal. O policial/soldado tem que ser um ATIRADOR monstro – não um lutador ! O combate corpo-a-corpo não é e nem poderia ser prioridade para um exército moderno. Pensando no contexto brasileiro: qual é a probabilidade de um policial do BOPE lutar desarmado contra um traficante?
10. Mistificação da “realidade da rua” – “na rua não há regras”, “na rua o que importa é sair vivo”, etc. Kct, é claro que existem regras na rua ! Tem o aspecto jurídico-criminal que eu já mencionei, e outro: se você assassinar um malaco “barra-pesada” numa briga, os parças dele não vão te caçar não? Óbvio que se o cara fosse te matar de qualquer jeito é melhor você matá-lo, mas dizer que na rua não há regras é uma mentira absurda.


Pontos que são fracos ou fortes dependendo da pessoa:

1. Técnicas militares inúteis para civis - imobilização com bastão ou combate com fuzis : útil para militares/policiais, inútil para civis.

2. Culto à personalidade do "mestre" Kobi - que não pode ser chamado apenas de Kobi, mas sim de mestre Kobi (sim eu vi um cara tomar bronca por isso). As pessoas idolatram um cara que ninguém nunca viu lutando - não existe um único vídeo dele fazendo luva com alguém. Esta idolatria não me incomoda, acho apenas bobo.

3. Técnicas de soltura de mãos e soltura de cabelo. Talvez seja útil pra mulher em balada, pra mim é perda de tempo.

4. Baixo risco de se machucar - bom e ruim ao mesmo tempo, o risco é baixo justamente porque tem POUCO COMBATE. Mas para algumas pessoas isto é o ideal: uma aula tranquila, com muito treino técnico coreografado e um pouco de sparring só pra ter uma noção.

Ponderações
NÃO ACREDITO EM TÉCNICA DE LUTA FORA DO CONTEXTO DE COMBATE/SPARRING. Se você tem uma técnica que é “sinistra demais para fazer sparring”, isto não é uma técnica, é uma possibilidade de ação. Sem o sparring, como você vai testar se realmente funciona? Como você vai aprimorar o movimento sem saber como funciona diante de um adversário ativo?
NO COMBATE, A POSIÇÃO DO AGRESSOR MUDA O TEMPO TODO. O centro de massa muda, então aquela “derrubada” que funcionava tão bem com o cara parado não funciona mais, a posição do rosto e do corpo mudam. Por isto esta ideia de que se você aperfeiçoar muito a técnica, treinando milhares de vezes, vai por si só aumentar sua eficiência é falsa...mesmo na teoria !
SOU CÉTICO EM RELAÇÃO AO CONCEITO DE “DEFESA PESSOAL”. Quando saímos do contexto de combate esportivo e tentamos pensar em “situações reais”, o número de variáveis envolvidas é tão absurdo que fica difícil montar um treinamento formal. Ninguém aqui duvidaria que jogar uma cadeira, um açucareiro ou uma xícara de café no agressor funcionaria, mas faz sentido montar um treinamento formal ensinando alguém a se defender usando cadeira/açucareiro/xícara ?
Me impressiona, no pessoal do krav, uma postura de desprezo pelo combate de competição, do tipo “ah o MMA só funciona nos ringues”. Como se o lutador de MMA fosse um bobão que numa briga de rua fosse lutar rigorosamente de acordo com as regras do ringue. Algo impede o Connor McGregor de jogar uma cadeira no agressor ou de dar um chute no saco?
O que funciona na temível “realidade das ruas” ?
1 – Morar em apartamento, num bairro seguro, olhar para os lados sempre, tomar cuidado na hora de entrar e sair do carro, não parar próximo ao semáforo, muita atenção com motoqueiros (se for possível se distanciar), não deixar bolsa no banco do passageiro, dependendo do local esconder anéis/relógios/joias.
2 – Andar em grupo.
3 – Nas regiões da periferia, CONHECER os malacos da região.
4 – Andar armado, nos contextos mais complicados, e saber usar a arma – coisa que o krav maga não vai te ensinar (pelo menos até onde eu conheci).
5 – Andar com algo que você possa usar como arma ou como contenção, como um agasalho ou mochila.
6 – Se for pego por um assaltante, tenta transmitir calma, evita movimentos bruscos e faz o que o cara mandar (exceto se for estupro, lógico).
7 – Se tiver que reagir mesmo, na minha opinião a prática de combate esportivo vai te ajudar mais a lidar com a situação do que os treinos coreografados que fiz no krav maga em que o sujeito te ataca e congela no ar. E, se o cara estiver armado e você não, eu diria que tem 90% de chance de que você se fodeu.

REFLEXO, FORÇA E VIOLÊNCIA SÃO MAIS IMPORTANTES DO QUE TÉCNICA. Técnica é só um elemento a mais. Alguém duvida que um atleta profissional de qualquer esporte de força/explosão daria um bom contendor numa briga, mesmo sem nunca ter treinado luta?

MAS, ENTÃO, VOCÊ RECOMENDA OU NÃO O KRAV MAGA ?

1. Uma parte do treino do krav (especialmente o treino de reflexo/”awareness”/exercícios com 2 ou mais agressores)seria um bom complemento para alguém que também treina MT/JJ/MMA/box. Krav Maga como arte marcial principal/exclusiva? Não recomendo.
2. Em relação à parte de desarme de arma de fogo (fiz um seminário deste tema, não tive na aula normal porque parei na faixa verde), não tenho conhecimento para avaliar se a técnica é boa ou não, perguntem a um policial.
3. A forma como a defesa contra facas é abordada pelo krav é desastrosa e irresponsável.


Parabéns pela riqueza de detalhes do post!

Sobre a parte de defesa contra facas, creio que aprendi mais sobre esse assunto investigando homicídios do que treinando qualquer coisa.

Em mais de 80% dos crimes desse tipo, a vítima é golpeada no abdômen (veja o exemplo do nosso próprio Presidente). A razão é simples: se a lâmina for manejada abaixo da linha dos olhos da vítima, não dá tempo de perceber o ataque e esboçar uma reação. O erro é treinar esse tipo de ataque como ele se fosse um lançamento de uma bola de boliche.

Por outro lado, ataques à la Hitchcock ocorrem na vida real, especialmente quando praticados por mulheres. Não é porque é um ataque "que só leigos fariam" que ele não ocorra com frequência. Vale a pena treinar esse tipo de defesa sim - mesmo porque, talvez, seja uma das poucas realmente aplicáveis.


Concordo
Dar "quote" num texto desse tamanho é irritante mesmo!
Avatar do usuário
Mag44
 
Mensagens: 273
Registrado em: 05/03/2019 08:36

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor moliternoga » 22/06/2019 19:52

Concordo com o colega acima, busque praticar um tempo uma luta de contato, seja ela de trocação ou de queda/chão. Em nenhuma conseguirá ser realmente eficiente em pouco tempo. Eu treinei judô por muitos anos, desde criança até os 15 anos. Com 15 quis aprender algo de trocação e fui pro Muay Thai. Treinando Muay comecei e treinar jiu jitsu e levei ambos por mais uns 4 anos aproximadamente. Citei isso tudo pois digo que tão importante quanto aprender é se manter treinando de forma constante, nem que seja duas vezes por semana. Eu mesmo não treino constantemente e perdi muito em reflexo e memória muscular, por mais que ainda tenho uma boa base e sei o que tem que fazer, não é tão natural quanto na época que treinava constantemente.
moliternoga
 
Mensagens: 751
Registrado em: 24/10/2015 21:14

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Erick Tamberg » 04/07/2019 00:03

Sobre a importância "força x técnica", não dá para afirmar que um fator sobrepuja o outro sem saber QUANTO de força e técnica cada um dos envolvidos possui.

Afinal, o princípio básico de algumas artes marciais (especialmente o judô) é precisamente a ideia de que o praticante é mais fraco do que o adversário.

Também não adianta muito uma técnica apurada se ela não for empregada no momento correto. Seja para aplicação de técnica ou força, não se pode esquecer do FATOR SURPRESA.
Erick Tamberg
 
Mensagens: 648
Registrado em: 09/06/2016 13:50

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor raubvogel » 06/07/2019 22:46

Na defesa do soldado Israelence, a maior parte do tempo ele trabalha como um PM indo na rocinha: sabe que tem gente armada (ou não) pronta para ataca-lo dependendo de como a situação vai se desenrolar. No caso deles, eles tem que ver de gente esta carregando armas e bombas, se casas estão sendo usadas para esconder gente e coisas, e se veiculos não vão ser usados como bombas. E tambem onde estão os tipos que estão atiçando o povo palestino para violencia. Logo, não é uma guerra convencional. O Krav Maga provavlemente é utilizado quando o meliante está muito perto.

Uma pergunta: o Krav Maga ensinado nestas escolas tem algo a haver com o que é ensinado para os soldados, ou é uma versão "civiliziada" (mais Hollywood, menos golpes mais eficientes) do mesmo jeito que Taco Bell é uma versão "civilizada" (adaptada para o gosto Americano) de comida Mexicana? Outra analogia é a estoria do Pulo do Gato.

De certo modo, eu de vez em quando fico pensando quanto as artes marciais são "sanitadas" ou adaptadas para ficarem mais agradaveis ao paladar do consumidor.
Avatar do usuário
raubvogel
 
Mensagens: 373
Registrado em: 22/04/2016 15:16

Re: Defesa Pessoal - Qual arte marcial?

Mensagempor Hunter9999 » 22/07/2019 16:13

raubvogel escreveu:Na defesa do soldado Israelence, a maior parte do tempo ele trabalha como um PM indo na rocinha: sabe que tem gente armada (ou não) pronta para ataca-lo dependendo de como a situação vai se desenrolar. No caso deles, eles tem que ver de gente esta carregando armas e bombas, se casas estão sendo usadas para esconder gente e coisas, e se veiculos não vão ser usados como bombas. E tambem onde estão os tipos que estão atiçando o povo palestino para violencia. Logo, não é uma guerra convencional. O Krav Maga provavlemente é utilizado quando o meliante está muito perto.

Uma pergunta: o Krav Maga ensinado nestas escolas tem algo a haver com o que é ensinado para os soldados, ou é uma versão "civiliziada" (mais Hollywood, menos golpes mais eficientes) do mesmo jeito que Taco Bell é uma versão "civilizada" (adaptada para o gosto Americano) de comida Mexicana? Outra analogia é a estoria do Pulo do Gato.

De certo modo, eu de vez em quando fico pensando quanto as artes marciais são "sanitadas" ou adaptadas para ficarem mais agradaveis ao paladar do consumidor.



Não tenho a menor ideia de como é o Krav Maga ensinado em Israel. Posso falar apenas da FSAKM.
Hunter9999
 
Mensagens: 3
Registrado em: 08/01/2019 15:56

Anterior

Voltar para Defesa Pessoal e Artes Marciais

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante